O Que é a Hiperatividade Infantil

As única coisas erradas/desvantagens na Hiperatividade Infantil é não saber que as atitudes e comportamentos da sua criança têm uma causa, uma justificação, não saber como lidar com ela e não saber como aproveitar os pontos positivos.

Vou começar por lhe dizer que a Hiperatividade Infantil não é falta de concentração por falta de empenho ou um comportamento indisciplinado resultante da educação dada pelos pais.

Se os pais de crianças sem Hiperatividade se empenhassem da mesma forma que os pais de crianças Hiperativas na educação dos seus filhos, todos eles seriam uns génios, super bem educados e extremamente organizados.

Educar ou viver com uma criança Hiperativa é um desafio enorme e os familiares, amigos e colegas de pessoas com Hiperatividade deveriam de receber o devido mérito.

A Hiperatividade Infantil também não é uma condição psicológica que se uma criança realmente quisesse era pontual e organizada ou que passa com a ajuda dum psicólogo.

Pedir a uma criança Hiperativa para se concentrar e organizar é a mesma coisa que pedir a uma pessoa com miopia para se esforçar mais e tentar ler sem óculos ou pedir a um coxo para correr mais depressa.

É impossível e está fora do controlo da criança com Hiperatividade.

A Hiperatividade Infantil é uma condição física que se caracteriza pelo sub-desenvolvimento e mau funcionamento de certas partes do cérebro, nomeadamente:

  • Lobos Frontais
  • Corpo Caloso
  • Gânglios da Base ou Núcleos da Base
  • Cerebelo
  • Sistema Dopaminérgico - Falta de e/ou Recaptação Precoce da Dopamina
  • Sistema Noradrenérgico - Falta de e/ou Recaptação Precoce da Noradrenalina

Mas também pela menor e menos eficaz atividade elétrica, menor circulação sanguínea no cérebro e má gestão da glucose que é o principal combustível do cérebro.

Tudo isto leva a que haja uma má comunicação entre neurónios, má comunicação e falta de sincronização entre as várias partes do cérebro.

A Hiperatividade Infantil é uma condição que apresenta 3 sintomas:

  • Desatenção ou Distração
  • Hiperatividade
  • Impulsividade

E tem 3 subtipos:

  • Predominantemente Desatento
  • Predominantemente Hiperativo
  • Combinado Desatento + Hiperativo – O mais comum

A Hiperatividade Infantil é atualmente a “desordem mental” mais diagnosticada em crianças, estimando-se que 5 a 10% de todas as crianças sejam Hiperativas.

As estatísticas indicam que cerca de 40% das crianças diagnosticadas deixam de ter sintomas durante a adolescência ou seja o cérebro, com a ajuda de fatores ambientais, “encontra o caminho” para o normal desenvolvimento.

O que significa que os outros 60% vão continuar a ter os sintomas da Hiperatividade durante a vida adulta.

A maior parte dos adultos Hiperativos não sabem que a têm porque sempre se pensou que a Hiperatividade desaparecia durante a adolescência

Em muitos casos não é muito evidente porque a pessoa desenvolveu estratégias para lidar com e minimizar as consequências dos sintomas.

Percentagem da Hiperatividade Infantil Entre os Sexos

Em relação à percentagem entre os sexos, parece não existir um consenso.

Alguns estudos apontam para 80% do sexo masculino e 20%, outros apontam para que seja uma percentagem igual.

Eu pessoalmente, acredito num valor a rondar os 60% sexo masculino e 40% sexo feminino por 2 razões:

  1. A vertente da impulsividade, que representa um comportamento com maior expressão exterior à criança, está mais presente/é mais visível nos rapazes dai a percepção de haver mais Hiperativos do sexo masculino
  2. As crianças do sexo feminino são condicionadas pela família e sociedade para terem um comportamento mais discreto e serem mais recatadas, logo disfarçando os sintomas da Hiperatividade

Mas a maioria das crianças têm outro tipo de desordem em simultâneo a que se dá o nome de co-existências.

As desordens que normalmente co-existem com a Hiperatividade Infantil são:

  • Comportamento perturbador, destabilizador e/ou desafiante
  • Doença Bipolar
  • Depressão
  • Ansiedade
  • Dependência de Álcool ou Drogas
  • Dificuldades de Aprendizagem
  • Síndroma de Tourette


Livro - Como Ajudar o Seu Filho a Acalmar e a Prestar Atenção

> Menos 30% dos Sintomas Em 30 Dias
> Menos 50% dos Sintomas Em 6 Meses

Livro Sobre Deficit Atenção Hiperatividade e TDAH

Livro Sobre Deficit Atenção Hiperatividade

• + de 300 Estratégias
• Qual a Melhor Alimentação
• Quais os Suplementos Mais Eficazes
• Quais os Jogos e Aplicações Que Ajudam na Concentração
• Estratégias Para a Realização dos Trabalhos de Casa
• Estratégias Para a Organização e Arrumação do Quarto
• Quais os Exercícios Mentais Que Ajudam a Concentrar
• O Que Está a Piorar os Sintomas e Como Eliminar
• 3 Tratamentos Gratuitos Similares e Alternativos aos Utilizados em Clínicas Especializadas e Que lhe Vão Poupar Muito Dinheiro
• Apoio Via Email Para Esclarecer Dúvidas

Saber Mais

Quer Receber Dicas & Estratégias Para Lidar Com o Deficit de Atenção e Hiperatividade?

Subscreva a Minha Newsletter Para Receber Dicas & Estratégias Para Ajudar a Controlar os Sintomas do Deficit de Atenção e Hiperatividade

4 Comentários

    • Olá Bianca.
      Como eu já referi noutros comentários, com apenas 1 anos é muito difícil termos a certeza de que se trata realmente de hiperatividade ou deficit de atenção.
      Só a partir dos 5 ou 6 anos e com a ajuda do feedback da educadora/professora é que começamos a ter os dados necessários para chegar a uma conclusão.
      O meu conselho é levar o seu filho a brincar na natureza, de preferência num bosque ou floresta ou na praia.
      Desta forma vai estar a estimular os sentidos duma forma muito benéfica para o normal desenvolvimento do cérebro.

  1. Boa noite.
    Uma mãe que usou drogas na gestação pode ter um filho hiperativo. …conheço uma pessoa nessa situação, então gostaria de saber se isso é possível. Obrigada.

    • Olá Cristina
      O uso de drogas, álcool ou tabaco na gravidez pode fazer com a criança venha a ter deficit de atenção e hiperatividade, se houver disposição genética.
      Ou seja se um dos pais tiver o gene do deficit de atenção e/ou hiperatividade.
      É uma das principais causas.